Finatec comemora 30 anos

Quando a UnB estava prestes a completar 30 anos, 12 professores das áreas de Engenharia Mecânica, Engenharia Elétrica e Física cheios de projetos de pesquisa e muita vontade de fazer acontecer,  instituíram a Finatec.  Com o objetivo de viabilizar projetos científicos, tecnológicos e de inovação, numa pequena sala da Universidade de Brasília, a Fundação começava a dar seus primeiros passos em março de 1992.

Ao longo dos seus 30 anos, a  Finatec faz a gestão dos projetos, cursos e eventos seguindo seu propósito:

“Conectar e apoiar pessoas interessadas em melhorar o mundo através do conhecimento aplicado é o que nos move em direção ao aprimoramento constante”

Comemoração

Após dois anos com as suas atividades de forma híbrida, a Fundação inicia o retorno ao presencial, respeitando as regras sanitárias e proporcionando um ambiente seguro para todos. No dia 14 de março, os colaboradores e gestores puderam comemorar três décadas de trabalho, no primeiro evento presencial desde 2020.

“Quando pensamos em comemorar o 30º aniversário da Finatec ficamos em dúvida do que deveríamos preparar para a Fundação, mas tínhamos certeza de que não poderia passar em branco. Até porque são 30 anos de história, 30 anos em que nossa querida Finatec faz a diferença no mundo da pesquisa, apoiando financiadores e pesquisadores. Além do mais, foi o primeiro evento com todos os colaboradores depois do período de isolamento.”, explica Patrícia Borges, da Gestão de Pessoas.

Feita por pessoas, para pessoas

No evento, o professor Augusto Brasil falou da sua satisfação de estar à frente da Fundação nos 30 anos, “Pra mim é uma grande felicidade a oportunidade que eu tenho atualmente de estar presente como diretor presidente comemorando os 30 anos da Finatec. E não somente eu, mas toda essa geração de pessoas que está hoje na Finatec teve essa oportunidade de comemorar os 30 anos. E por que a felicidade? Porque a Finatec é feita pelas pessoas e se ela está aqui é por causa das pessoas. De todas as fundações que existiram na Universidade de Brasília, a Finatec, atualmente, é a única que ainda está sobrevivendo nesses 30 anos e sobreviveu por causa não só daqueles primeiros instituidores que tiveram a primeira ideia, tiraram dinheiro do bolso e instituíram a Finatec mas por todas as pessoas que vem colaborando ao longo desses anos todos; os diretores do passado, os membros do conselho, membros do conselho fiscal e dos colaboradores daqui de dentro”, exclama o professor Brasil.

Com um time de colaboradores empenhados em contribuir para a aplicação de conhecimento, através das pesquisas, cursos e eventos, Augusto destaca a importância das pessoas na história da Finatec: “A Finatec é o que é  porque tem esse corpo de colaboradores que seguram a peteca. Daqui a 30 anos ou 60 ou 90, o que for, lá na frente vamos poder dizer “Olha, nós estamos aqui por causa dessa geração que estava lá atrás que também foi um tijolinho que fez parte dessa construção da Finatec.” Temos que comemorar isso.”

“A Finatec tem esse tesouro que são as pessoas e elas carregam a nossa missão para a sociedade: transferir todo esse conhecimento, tudo o que a gente tem dentro das nossas apoiadas para a universidade, retornar para a sociedade aquilo que nós tivemos da sociedade. É muito bonito ver nosso papel como pessoas sendo importante”, finaliza o professor Augusto Brasil.

Em comemoração às três décadas, a Finatec lançou um logotipo comemorativo e apresentou aos colaboradores o novo vídeo institucional. Confira:

Finatec abre inscrição para programa voltado ao jovem empreendedor

São 20 mil vagas para jovens negros e mulheres entre 18 e 29 anos interessados em aprender as técnicas do empreendedorismo e aplica-las na região onde moram

Despertar o lado empreendedor em jovens interessados em montar ou tirar da informalidade seu próprio negócio em regiões consideradas áreas de vulnerabilidade. Esse é o principal objetivo de um programa inclusivo oferecido gratuitamente pela Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec) em parceria com o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) – Secretaria Nacional da Juventude.

O Jornada e Rede de Acolhimento Horizontes do Empreendedor para Jovens Negros e Mulheres Jovens abrirá 20 mil vagas para esses dois gêneros, com faixa etária entre 18 e 29 anos, que residam no Centro-Oeste. O projeto tem duração de um ano. Serão oferecidos curso, oficinas, encontros e mentorias para esses jovens empreendedores selecionados.

A região escolhida para ser piloto desse curso é a do Centro-Oeste. O início da capacitação está previsto para o dia 23 de maio, quando haverá a primeira etapa. A fase inicial consiste em curso on-line com duração de 40h. Podem se inscrever pessoas do Distrito Federal, Goiás, Matogrosso e Matogrosso do Sul.

A Finatec é a executora do projeto, que é financiado pelo MMFDH. A fundação é a responsável por todo o programa. A primeira etapa foi o planejamento, que consistiu na coleta de dados e na análise do território, do perfil desse jovem negro e dessa mulher do Centro-Oeste e nas estratégias de atuação.

As inscrições começam nesta segunda-feira (14/3) e a capacitação está prevista para 23 de maio. O programa é divido em grupos. Serão 20 mil alunos, sendo dez mil do sexo feminino e dez mil jovens e negros.

Ao término da primeira etapa, que consiste no curso on-line de 40h de duração, serão selecionados mil alunos de cada grupo, que irão para uma segunda fase dessa chamada jornada, participando de oficinas, encontros e mentoria junto à Rede de Acolhimento Horizonte do Empreendedor, formada por técnicos, pesquisadores e especialistas da Finatec e parceiros locais.

Lá, esses dois mil jovens serão incentivados a tirar seus projetos do campo da ideação ou da informalidade – para aqueles que já realizam atividades comerciais em seu local de moradia, como costureira que faz pequenos consertos, vendedor de lanche. Eles vão receber orientações visando a elaboração de um plano de negócios, que irá possibilitá-los a ter acesso a microcrédito orientado.

Jornada

Os 100 melhores planos de negócios vão participar durante seis meses de uma mentoria mais próxima e personalizada, visando o acesso ao microcrédito orientado. “O curso possibilitará o contato com conceito de empreendedorismo e tudo o que envolve o empreender, como canais de venda, relação comercial com o próprio território em que ele está inserido, de que forma se posicionar no mercado. Também possibilitar acesso a parceiros que vão ofertar o microcrédito orientado. É uma verdadeira jornada”, explica a coordenadora do programa Jornada e Rede de Acolhimento Horizonte do Empreendedor, Sandra Fernandes.

Serviço: Para se inscrever, basta acessar o site (https://jornadahorizontesdoempreendedor.finatec.org.br/site) e preencher a ficha de inscrição direcionada para um dos dois projetos.

UnB desenvolve respirador mecânico que vai custar até 65% mais barato que o preço pratica no mercado

O equipamento é vendido no mercado hoje por até R$ 100 mil. Protótipo recebe os últimos ajustes e vai permitir que o seu controle seja feito a distância

A Universidade de Brasília, com o apoio da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal (FAP-DF), desenvolveu o protótipo de um tipo de respirador mecânico com custo-benefício bem mais em conta que os equipamentos vendidos atualmente no mercado.

O equipamento deve custar até 65% a menos que o mesmo tipo de produto considerado de primeira linha no mercado. Um respirador mecânico é oferecido ao preço que varia entre R$% 60 mil a R$ 100 mil. “Nós fizemos um produto para que possa ser vendido na faixa dos 30 a 35 mil”, estima o coordenador do projeto Sanderson César Macêdo Barbalho.

Professor do Departamento de Engenharia de Produção da UnB, Sanderson disse que utilizou mais de 300 componentes eletrônicos no respirador mecânico. As peças foram adquiridas no mercado pela Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos (Finatec), que é outra instituição parecera da pesquisa. “Foi a maior compra de componentes que a Finatec realizou”, afirma.

A novidade nesse tipo de respirador em relação aos outros é a introdução de um descontaminador. Segundo ele, o equipamento já faz o trabalho de limpar o ar que sairá do equipamento durante o seu uso. “O acompanhante ou os profissionais de saúde pode ficar perto, que não será contaminado”, acrescenta.

O protótipo é todo automatizado. O futuro respirador será controlado por um programa que pode ser baixado para o celular e monitorado a distância. É justamente esse sistema de controle, por Software, que está sendo testado para então ser aplicado em seres vivos. Primeiro, em porcos. Depois em humanos.

Tanto a parte física quanto o programa serão patenteados pela UnB. A empresa que se interessar em adquirir o projeto e arcar com os custos da fabricação em grande escala, deverá procurar a Agência de Inovação da UnB e obter a transferência de tecnologia.

O projeto chamado de Desenvolvimento de Respirador Decânico de Baixo Custo com Sistemas de Controle de Volume e Pressão e Adequado às Condições Sanitárias para Pacientes em UTI Devido ao Covid-19, o projeto recebeu investimento de R$ 1,1 milhão. O valor foi repassado pela FAP-DF no âmbito do Convênio 03/2020, que conta com orçamento global de R$ 30 milhões para apoiar projetos e ações de pesquisa, inovação e extensão destinadas ao combate à Covid-19.

A gestão desse recurso ficou a cargo da Finatec. Para o professor Sanderson, esse tipo de ajuda é essencial no andamento do projeto, sobretudo por permitir ao pesquisador o foco na parte prática da pesquisa, deixando a gestão com uma equipe especializada. “A Finatec viabiliza a gestão financeira do projeto, o pagamento das bolsas dos alunos,

tudo isso daí o professor não consegue fazer. Nosso trabalho é técnico, a gente quer desenvolver o produto. Por outro lado, é muito importante ter alguém cuidando desse lado burocrático, sem eles a gente não consegue trabalhar”, afirma.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support