Na próxima segunda-feira, 02/08, das 12h às 16h, o site ficará indisponível em função de manutenção na rede da UnB. Agradecemos a compreensão.

Finatec assina acordo de parceria com o Grupo Coimbra de Universidades Brasileiras

[vc_row][vc_column][vc_column_text]Com o objetivo de internacionalizar a atuação de pesquisadores e estudantes de graduação e pós-graduação das instituições conveniadas com a Finatec, o Diretor Presidente, professor Dr. Edson Paulo da Silva assinou no dia 29 de outubro, o Acordo geral que tem por objetivo regular as relações entre o Grupo Coimbra de Universidades Brasileiras – CGUB e a FINATEC, mediante o estabelecimento de mútua cooperação no intercâmbio científico e tecnológico, com vistas ao desenvolvimento de projetos e atividades de pesquisa, ensino e extensão, desenvolvimento de produtos, cursos, formação e treinamento de recursos humanos, absorção e transferências de tecnologias e prestação de serviços, bem como o desenvolvimento de outras atividades de interesse comum dos parceiros e que estejam relacionadas às suas finalidades estatutárias.

O GCUB, fundado em 2008 na cidade de Brasília, é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos, de caráter acadêmico, científico e cultural, composta por 83 instituições brasileiras de Educação Superior. O Grupo tem como missão promover relações acadêmicas, científicas e culturais entre as instituições associadas e parceiros internacionais, por meio de programas, projetos e ações de cooperação internacional, bilaterais e multilaterais.

Contudo, esses processos de intermediação não geram recursos para o CGUB e, a parceria com a Finatec, poderá ampliar suas formas de atuação. O Presidente do Grupo Coimbra revelou que a parceria é o segundo momento mais importante do GCUB. “O primeiro, foi a criação do Grupo e o segundo é esse passo que estamos dando hoje em relação à essa parceria que vai mudar completamente o nosso futuro. Nós apostamos nisso.” – afirma o Presidente professor Dr. José de Arimatéia e Reitor da Universidade Federal do Piauí.

De acordo com o Diretor Presidente da Finatec as instituições credenciadas terão grandes oportunidades com a nova parceria. “A Finatec está entrando na oferta de cursos próprios e enxergamos uma grande oportunidade de oferecer cursos internacionais ou com participação de pesquisadores em investigações internacionais. Esperamos explorar bastante essa sinergia.” – pontua o Diretor Presidente.

Como contrapartida no convênio, a Finatec entrará com a sua expertise de fundação de apoio. “O Grupo Coimbra possui uma credibilidade muito grande e pode captar recursos, internalizando essas verbas para incrementar suas atividades, contudo, esse não é o foco de atuação do CGUB. Ao contrário da Finatec, no qual o seu negócio é justamente realizar a gestão financeira e administrativa dos recursos.” – afirma o Diretor Presidente da fundação.

Na assinatura do contrato, que aconteceu na sede da Finatec, estiveram presentes representando a fundação, o Diretor Presidente, professor Edson Paulo da Silva, o Superintendente Gustavo Condeixa e, representando o Grupo Coimbra de Universidades Brasileiras, a Diretora Executiva, professora Rossana Valéria e o Presidente do grupo, professor José Arimatéia. Ao final da reunião os representantes da Finatec foram homenageados com uma placa que selou a parceria.

 

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][minti_gallery ids=”20531,20532,20534,20533,20535,20537,20538″ columns=”3″ style=”2″][/vc_column][/vc_row]

1º Congresso CONFIES acontecerá em Brasília no mês de novembro

A capital federal do país receberá, de 21 a 23 de novembro de 2018, na sede da Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos – Finatec, na UnB, a 1ª Edição do Congresso Nacional da Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica.

Com o histórico de 30 anos de existência e 35o Encontros Nacionais, o evento foi rebatizado de 1º Congresso CONFIES para marcar as novidades implementadas nesta edição. O encontro pretende reunir um público com cerca de 300 participantes de mais de 100 fundações de todo o Brasil, de todos os estados e da capital federal, além de empresas, órgãos governamentais e de controle, possibilitando a discussão e a troca de informações.

A programação está repleta de assuntos inovadores e relevantes para as Fundações de Apoio. O primeiro dia do congresso será dedicado a assuntos das mais diferentes áreas tais como comunicação, jurídico, tecnologia da informação, contadores entre outras. “O objetivo é integrar nossas afiliadas em torno das melhores práticas de gestão bem como colocar as fundações como suporte estratégico da inovação do País” – afirma o Presidente do CONFIES, professor Fernando Peregrino.

A oficina do E-Social, que será conduzida pelo auditor da Receita Federal, Daniel Belmiro, é uma das promessas de sucesso do evento. Na oportunidade, serão discutidos pontos sobre como tratar o sistema em um ambiente de fundação com foco nos eventos, prazos e cronogramas do e-social. Além dessa oficina estão previstas também as de Gestão dos Projetos Petrobrás, Acordão de Transparência do TCU, Revisão do Regulamento Técnico pela ANP, Situação da Reabertura das PC’s com a participação da FINEP e Governança e Compliance para Fundações.

Além das oficinas, o congresso também realizará mesas de discussões com especialistas renomados em suas temáticas. A palestra “Indicadores Finalísticos das Fundações de Apoio e os Órgãos de Controle” promete uma discussão sobre quais indicadores seriam representativos de uma fundação de apoio para serem observados pela sociedade, pelos Órgãos de Controle e Normativos, além dos indicadores contábeis que atualmente são considerados pelos Ministérios Públicos Estaduais e do DF. De acordo com Peregrino, a importância de se discutir o tema está em dar maior transparência no cumprimento da missão das fundações conforme a lei 8958 lhes definem.

Valorização das Fundações

O congresso, também será espaço do I Prêmio TV CONFIES de Vídeo. O concurso premiará os vídeos temáticos que melhor expressarem ao público um olhar sobre o tema “Burocracia na pesquisa”, no campo da ciência.

O concurso é uma iniciativa da Rede TV CONFIES, um projeto de interesse coletivo das Fundações de apoio coordenada pelo CONFIES que visa, entre outras expectativas, valorizar o trabalho das Fundações e promover a pesquisa, a educação e a inovação no Brasil.

Os três vídeos mais votados, por júri popular e indicação de especialistas, ganharão troféus e prêmios em dinheiro.

Sobre o CONFIES

O Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica – CONFIES é uma associação civil com personalidade jurídica de direito privado sem fins lucrativos que agrega e representa centenas de fundações afiliadas em todo o território nacional.

As fundações de apoio foram criadas para viabilizar, de maneira ágil e eficiente, a relação entre a academia, por meio das universidades e dos institutos de pesquisa, e a sociedade, através de empresas e das organizações sociais, intermediada pela ação integradora do poder público municipal, estadual e nacional.

Desta forma, o CONFIES é a representação que visa promover o aprimoramento e a troca de experiências entre suas associadas, bem como defender direitos e prerrogativas comuns às fundações.

 
[minti_button link=”https://www.finatec.org.br/confies2018/” size=”large” target=”_blank” lightbox=”false” color=”color-1″ icon=””]Conheça do site do evento[/minti_button]
 

CNPq divulga resultado do “Credenciamento de Fundações” – Finatec está entre as escolhidas no Brasil

No dia 23 de outubro, a Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos – Finatec teve o prazer de receber uma certificação do CNPq oficializando seu credenciamento junto ao órgão. Desse modo, a fundação está apta a receber e gerenciar recursos oriundos de pessoas jurídicas de direito privado, destinados ao apoio a projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação aprovados pelo CNPq que se enquadrem no artigo 3º da Lei nº 10.973/2004.

Em resultado preliminar, divulgado no dia 15 de outubro, a Finatec já figurava entre as instituições provavelmente aptas para o credenciamento. Ao todo, 51 instituições submeterem seus pedidos, mas apenas 37 foram deferidas no primeiro resultado. Confira a relação de instituições com solicitações deferidas clicando aqui.

A Fundação comemora mais essa conquista acreditando que a execução dos projetos de pesquisa do CNPq será uma grande oportunidade para ampliar o seu campo de atuação e contribuir para o incremento da pesquisa e do desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil, cumprindo assim suas finalidades estatutárias com maior abrangência.

Finatec implementa assinatura eletrônica e elimina a impressão de contratos em seu processo de gestão documental

Estamos na era da inovação! A preocupação com a sustentabilidade do planeta e a utilização consciente dos recursos naturais estão cada vez mais presentes no cotidiano das pessoas. Assim a Finatec, consciente de seu dever social e com a intenção de reduzir o consumo de papel, está transformando a sua forma de lidar com a documentação interna.

O programa, que está inserido no escopo do Projeto e-Finatec, faz parte da modernização dos sistemas integrados de fundação. De acordo com o gerente de Tecnologia da Informação da Finatec, Marcos Nunes, o objetivo principal é permite economizar centenas de reais, agilizar o processo, contribuindo com o meio ambiente, e, além disso, retira toda a burocracia que a assinatura de um contrato no método atual.

A importância desse sistema é grande. “Atualmente, tudo o que necessita de uma aprovação ou assinatura precisa ser impresso. O cliente “coordenador de projeto” imprime os documentos, assina, se desloca até a Finatec para entregar seu projeto, o protocolo interno recebe o material, envia para o Núcleo de Documentação, eles realizam a digitalização e só assim o documento entra no sistema. Com a modernização do processo e implantação do software, a documentação já cairá no fluxo digital diretamente, sem a necessidade de impressão” – reforça o Gerente da Finatec.

Assim, a novidade do processo está na possibilidade de colocar o documento digital, na plataforma de armazenagem, desde o início do fluxo, permitindo inclusive assinaturas digitais válidas. Nesse sentido é possível organizar os processos da documentação e enviá-las para assinaturas com validade jurídica, sem a necessidade de imprimir nenhum papel. “Com a implantação do Sistema de Assinatura Eletrônica, após o tratamento dos documentos, o processo pode ser assinado até via celular por e-mail, onde você estiver.” – ressalta Nunes, Gerente de TI da fundação.

A assinatura eletrônica está atrelada ao simples cadastro do e-mail e CPF de quem irá assinar o documento. “Quando aparece na caixa de entrada, o contrato digital apresenta uma pequena descrição com as informações mais relevantes do documento, para situar quem está recebendo a demanda. Assim, é possível assinar tudo em poucos cliques.” – exemplifica o gerente de TI.

A plataforma utiliza múltiplos pontos de autenticação em todo o processo de assinatura para garantir a validade jurídica das transações, como por exemplo: criptografia dos documentos, carimbo de data e hora, hash SHA 512, e-mail, CPF (validado junto à Receita Federal), IP, geolocalização, token de acesso, assinatura na tela, entre outros pontos de autenticação para garantir 100% de segurança.

De acordo com o cronograma da gerência de TI, a virada de sistema ocorrerá até o final do ano de 2018 uma vez que ele já apresentou resultados positivos ainda na fase de testes. Com a implantação do sistema Gerenciamento Eletrônico de Documentos – GED e assinatura eletrônica, a Finatec cumpre o seu papel como fundação de apoio entregando suas demandas de forma cada vez mais célere e transparente.

Exame de proficiência de língua Chinesa – inscrições até 2 de novembro

O Núcleo de Estudos Instituto Confúcio de Brasília (ICB), do Departamento de Língua Estrangeiras e Tradução (LET) do Instituto de Letras da UnB, torna públicas as condições para a realização do Exame Escrito de Proficiência de Língua Chinesa – HSK níveis 1, 2, 3, 4, 5 e 6 e Exame Oral de proficiência de Língua Chinesa – HSKK níveis básico, intermediário e avançado.

O período de inscrições é de 10 de outubro a 02 de novembro de 2018. As inscrições acontecem somente via Internet: clique aqui.

As provas são elaboradas exclusivamente pelo Governo da República Popular da China (HANBAN) e serão aplicadas pelo Núcleo de Estudos Instituto Confúcio na UnB, sob as orientações determinadas pelo governo Chinês.
Os exames serão realizados na cidade de Brasília, na sede do ICB, localizado na Universidade de Brasília, Campus Universitário Darcy Ribeiro – Asa Norte no dia 02 de dezembro de 2018 (domingo) em diversos horários que podem ser conferidos a partir do edital.

Não perca o prazo de inscrição! Faça já o exame de proficiência de língua Chinesa!

[minti_button link=”https://www.finatec.org.br/site/wp-content/uploads/2018/10/Edital-02.2018-do-Instituto-Confúcio-na-UnB.pdf” size=”large” target=”_blank” lightbox=”false” color=”color-1″ icon=””]Acesse o edital na íntegra[/minti_button]

[minti_button link=”https://events.gennera.com.br/public/#!/events/11f90d342bae1f2c13d5dfd98083fb465ebe66bb” size=”large” target=”_blank” lightbox=”false” color=”color-1″ icon=””]Faça já a sua inscrição[/minti_button]

Finatec apoia o Prêmio Parceiros da Imprensa da UnB

[vc_row][vc_column][vc_column_text]Apoiado pela Finatec o ‘Prêmio Parceiros da Imprensa’, que já está em sua 11ª edição, foi realizado na quinta-feira, 11 de outubro, nas dependências da fundação e contou com a presença de mais de uma centena de docentes da Universidade de Brasília.

O ‘Parceiros da Imprensa’ é um evento organizado pela Secretaria de Comunicação – SECOM da UnB e chancelado pelo ato 2516 da Reitoria, com a proposta de homenagear os professores que mais concederam entrevistas aos veículos de comunicação durante o ano. O prêmio reconhece a importância dos docentes e pesquisadores na formação da imagem institucional da universidade já que estes romperam as paredes da academia e aproximaram ciência da comunidade externa.

Cerca de 6.500 matérias jornalísticas sobre a UnB foram publicadas em 2017. Dentre os mais de 800 professores que concederam entrevistas para a imprensa, 134 docentes foram agraciados com um diploma nesta edição do prêmio.

David Fleischer, do Instituto de Ciência Política (Ipol), Roberto Piscitelli, da Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Gestão de Políticas Públicas (Face), e Denise Imbroisi, decana de Planejamento, Orçamento e Avaliação Institucional (DPO), receberam troféus das mãos da Reitora da UnB, professora Márcia Abraão, e da Secretária de Comunicação, professora Thais de Mendonça Jorge, pela posição de destaque na interação com a mídia externa.

Shirley Gonçalves de Azevedo, fundadora e incentivadora do prêmio, foi a homenageada especial da noite e recebeu um diploma de “Parceira eterna da Imprensa”. “Os professores paravam tudo para atender a mídia. Eu pedia artigos, informações diversas, tudo num tempo record. Eles sempre foram solícitos, maravilhosos. Não era possível ficar sem dar um retorno desse trabalho para aqueles que colaboravam. De tanto insistirmos nessa ideia, conseguimos realizar a primeira edição do prêmio e, para a nossa alegria, o ‘Parceiros da Imprensa’ conquistou a simpatia da Reitoria que institucionalizou o prêmio” – conta a ex-servidora.

De acordo com a Secretária de Comunicação, professora Thaís Jorge, a ideia de procurar a parceria da Finatec para o prêmio aconteceu devido a uma participação sua em um evento na fundação. “Eu sabia que as instalações eram boas então pensamos em convidar a Finatec como parceira para mudar o evento de lugar oferecendo um espaço maior, melhor e que pudesse mostrar o que é a produção de conhecimento dentro da UnB para o nosso público” – relata a Secretária.

Leia mais sobre o evento na matéria produzida pela SECOM unB – clique aqui
[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column width=”1/1″][minti_gallery ids=”20425,20426,20427,20428,20429,20430,20431,20432,20433,20434,20435,20436,20437,20438,20439,20440,20441,20442,20443,20444,20445,20446,20447″ columns=”4″ style=”2″][/vc_column][/vc_row]

Parque Tecnológico da UnB e Finatec convidam docentes para prestação de serviços à comunidade

Nos dias 5 e 9 de outubro a Finatec foi espaço para que docentes da Universidade de Brasília pudessem conversar sobre as possibilidades de ampliação de acesso dos trabalhos acadêmicos pela sociedade. A iniciativa partiu da Diretora do Parque Científico e Tecnológico da Unb (PCTec-Unb), professora Renata Aquino, devido aos incentivos do novo marco legal regulamentado em 2018.

O parque tecnológico será o estruturador de um portal que irá ancorar professores que façam a conexão entre a sociedade e os laboratórios, grupos de pesquisa e unidades acadêmicas para a prestação de serviço tecnológico.

A reunião promoveu o encontro de diversos docentes que já possuíam experiência nessa prestação de serviço e, também, daqueles que nunca tiveram a oportunidade de oferecer o seu conhecimento. De acordo com a Diretora do PCTec o portal será um grande portfólio para a busca de serviços pela comunidade. “A ideia é que os professores dos laboratórios especifiquem seus serviços de forma bem detalhada por meio de um documento que será dado pelo Parque. Assim, convidamos todos a participarem da estruturação e construção desse portal, numa forma de democratizar o acesso ao Parque para a oferta de serviços à comunidade. Estamos construindo uma instituição orgânica que tenta, na medida do possível, otimizar cada vez mais os recursos para garantir excelência e qualidade no papel da Universidade de Brasília no desenvolvimento de tecnologias em prol da sociedade” – pontua a professora.

Marcos regulatórios e parceria com a Finatec

A partir dos marcos regulatórios, a exemplo da Lei 11.196/05, conhecida como a Lei do Bem, ou a Lei da Inovação e, mais recentemente, com a instituição do Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação, a Universidade de Brasília, que já é pioneira na área, reforçou esse ambiente propício com a criação do Decanato de Pesquisa e Inovação, e sua ligação direta com o Centro de Desenvolvimento Tecnológico – CDT, direcionando essa temática para o contexto acadêmico. O parque tecnológico que antes era uma gerência, passou a ser um órgão complementar relacionado com a ideia de catalisar a estrutura para interagir com a sociedade. De acordo com a diretora do PCTec, essa interação pode acontecer de diversas formas. “Seja por meio de empresas que venham a se instalar no parque, ou através da sociedade que deseje usar a estrutura de tecnologia da UnB para resolver seus problemas e sanar suas dúvidas” – reforça a Diretora.

Desde a sua criação, em 2007, cerca de 327 laboratórios já passaram pelo Parque Tecnológico da Unb como prestadores de serviço. “Estamos credenciando todos os laboratórios, através da estrutura PCTec/Finatec no contexto do marco legal, aplicando a Lei do Bem nos processos de licitação, contratação, entre outros. Essa lei foi muito importante porque ela reconhece que ações de inovação não estão previstas em outras regulações justamente por sua natureza, algo que ainda não nos deparamos, que vamos descobrir e pesquisar” – revela a professora Renata Aquino.

O parque tecnológico é parceiro do Decanato de Pesquisa e Inovação e do Centro de Desenvolvimento Tecnológico – CDT. “Funcionamos de braços dados. As empresas que eram encubadas no CDT e hoje estão graduadas, se instalaram no parque tecnológico. Além de oferecer infraestrutura sediando as empresas, o PCTEc, também possui um conselho consultivo que tem a prerrogativa de indicar uma fundação para ser parceira na Gestão Financeira e Administrativa. Dentre as fundações credenciadas com a UnB, a Finatec foi a indicada para ser parceira, catalisando essas ações de estruturação da prestação de serviço tecnológico dentro da UnB por meio da estrutura de funcionamento do Parque/Finatec” – informa a professora.

Os serviços prestados

A prestação de serviço tecnológico à sociedade, por intermédio dos laboratórios da UnB, envolverá competências de todos os cursos ofertados pela Universidade. Desde uma análise de água, para alguma fonte que estaria deixando pessoas doentes no entorno, ou até mesmo, na aplicação de uma metodologia desenvolvida para a estruturação de uma empresa. “A ideia é disponibilizar ao alcance social todo o know-how de inovação que a universidade possui por meio dos laboratórios, docentes, alunos e pesquisadores.” – afirma a Diretora do Parque.

Duas vertentes importantes serão trabalhadas no PCTec; a fixação e ancoragem de empresas e núcleos de P&D na universidade, com fins de catalisar inovações a partir do contato com os professores e, também, a relação com o setor produtivo através da prestação do serviço tecnológico.

Seminário Internacional Geografia & Saúde na Finatec

Nos dias 26 e 27 de setembro de 2018 a Finatec sediou o Seminário Internacional Geografia & Saúde: Teoria e Método na Atualidade que debateu, a partir de uma visão internacional, os principais métodos e teorias utilizados atualmente no campo da Geografia da Saúde.

A compreensão e a identificação dos atores e das questões que formam e agem sobre o espaço geográfico é uma das principais contribuições que a geografia pode oferecer para a saúde. Nesse processo destacam-se as diversas especialidades da geografia que observam o ambiente. De acordo com Helen da Costa Gurgel, professora da Universidade de Brasília e coordenadora do evento no Brasil, as geografias econômica, política e cultural são o coração das análises do ambiente. “Assim, as ferramentas de geoinformações, que os geógrafos tão bem manipulam, como a elaboração de cartas e análises espaciais, são um importante apoio para a saúde pública” – destaca a professora.

A interpretação espaço-temporal dos fatores do meio físico e humano também são importantes na medida que norteiam o comportamento da saúde das populações e revelam aos riscos sanitários aos quais estão expostas.

O evento também foi o local de lançamento do Dossiê Franco-Brasileiro de Geografia e Saúde da Revista Confins. O dossiê contém uma diversidade de análises sobre as interrelações entre o ambiente e a saúde, baseadas essencialmente no papel das desigualdades espaço-temporais e a mobilização de ferramentas e métodos geográficos que trazem um olhar inovador para um aspecto do conhecimento a ser integrado nas abordagens científicas das áreas.

De acordo com Gurgel, os autores dos artigos do dossiê estão associados à rede construída como parte do projeto JEAI-GITES (Jovem Equipe Associada ao IRD – Gestão, Indicador e Território: Ambiente e Saúde no Brasil) que a professora e sua equipe coordenam desde 2015.

Já o Programa JEAI (Jeunes Equipes Associées) é uma iniciativa do IRD (Institut français de Recherche pour le Développement) voltada para o fortalecimento de equipes de pesquisa de países do Sul, no âmbito de parcerias científicas com unidades de pesquisa do IRD.

O objetivo do reunir o JEAI GITES é fortalecer o lugar da geografia da saúde na elaboração de sistemas de melhoria do conhecimento, vigilância e alerta, de modo a integrar as disparidades espaciais das condições de saúde com as dinâmicas socioambientais dos territórios.

Em 2019, a cidade de Blumenau, em Santa Catarina, foi a escolhida para receber o IX Simpósio Nacional de Geografia da Saúde, com o tema “Em defesa do SUS….MAIS Geografia”.  Nesse cenário, a comissão organizadora considerou dois contextos: o político, no qual o Brasil vem experimentando o aprofundamento dos cortes em gastos sociais e, consequentemente, possíveis retrocessos das conquistas do SUS, desde a constituição de 1988, e o local da cidade anfitriã, onde os desastres naturais e os impactos na rede de atenção básica, são emblemáticos.

O evento ocorrerá no período de 19 a 21 de junho 19 de 2019, para mais informações, acesse o site:
http://inscricao.eventos.ifc.edu.br/index.php/geosaude/geosaude/schedConf/overview

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support