Casos de sucesso

Implementação de Acessórios para Ventilação Múltipla

Com mais de um ano de pandemia, podemos dizer que estamos vivendo um momento singular, no qual medidas extremas dão o tom da emergência: você sabia que em alguns hospitais da Itália e de Nova York pacientes dividiram ventiladores? A falta do equipamento levou equipes médicas à decisão, que inspirou um grupo de professores da UnB a estudar o quão viável é, de fato, a prática.

A proposta do projeto “Implementação de acessório para ventilação múltipla”, da UnB Gama-Ceilândia-Darcy, é avaliar a aplicação de um respirador comercial em  dois pacientes ao mesmo tempo. Apoiado pela Finatec e pela FAP-DF, o projeto tem previsão de conclusão em julho de 2021.

“Em virtude desse cenário terrível, surgiram possibilidades. Uma delas era duplicar a capacidade de ventilação – não do aparelho em si, mas do circuito de ventilação. Aumentaria a capacidade de um único aparelho, podendo atender dois indivíduos”, explica o professor Marcelino de Andrade, docente da Engenharia Eletrônica na UnB Gama.

Conectar duas pessoas no mesmo respirador, no entanto, não é uma tarefa tão simples quanto pode parecer. O equipamento se adequa à necessidade e condições do paciente, e pode ser usado em pessoas com diferentes graus de deficiência respiratória: os ventiladores usados hoje detectam como o paciente está e vão se ajustando. Se ligado a duas pessoas, uma vai ser o paciente ‘piloto’ e o outro, o ‘passageiro’. Ou seja, o equipamento vai fazer o que o ‘piloto’ precisar.

“Isso pode ser um problema porque se o ‘piloto’ entrar em apnéia, por exemplo, o ‘passageiro’ também perde o ar. Além disso, temos problemas como a possibilidade de contaminação cruzada, e pode ser muito difícil separar pacientes na hora de intubar e extubar. Tirar alguém da intubação não é tão simples, depende muito de cada pessoa”, enumera o professor Luiz Rocaratti, do departamento de Física Experimental da UnB Darcy.

A pesquisa busca, a princípio, entender se um respirador com circuito duplo é possível e seguro, na tentativa de criar um modelo viável. Para isso, a equipe conta não só com engenheiros, como o professor Marcelino e o professor José Felício da Silva, da Engenharia Eletrônica  da UnB Gama, mas também com o professor Luiz, da Física, e com o professor Sérgio Mateus, da Fisioterapia da UnB Ceilândia.

“A curto e médio prazo, a pesquisa traz o benefício da informação: é saber o que pode ser feito, o que é certo, cientificamente comprovado. Às vezes, as pessoas veem as coisas na internet e acham que algo assim pode ser mais fácil do que de fato é. Em uma UTI, em um hospital, todo cuidado é pouco”, pondera o professor Luiz.

Para o professor Felício, a pesquisa pode resultar em um impacto enorme na atenção hospitalar em tempos de Covid-19 e além. “É um ganho imenso para a sociedade, até no longo prazo. Imagine ter um sistema desse em hospitais que atendem locais afastados, onde o número de ventiladores era reduzido antes da pandemia. Eu vejo muito futuro. Vamos trazer respostas melhores, com sustentação científica, para essas hipóteses”, planeja.

Coordenador: Prof. Marcelino Andrade

Recurso: R$17.700,00

Envolvidos: FAPDF, Finatec, UnB

Assinatura: 08/06/2020

Data fim (previsão): 06/07/2021

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support