Casos de sucesso

Monitoramento, mapeamento e elaboração de sistema de alerta rápido para COVID-19 no DF via análise de SARS-CoV-2 em esgotos urbanos

Nem RT-PCR, nem exame de sangue: você sabia que o jeito mais rápido de detectar um surto de Covid-19 em uma região é pela análise do esgoto? Na verdade, segundo artigo publicado em 2020 pela revista Nature, o espalhamento de qualquer doença pode ser descoberto rapidamente por esse tipo de estudo – o que pode emitir um alerta para as autoridades de saúde quanto ao crescimento da curva de contágio. 

Inspirada pela literatura disponível, a professora Cristina Brandão, do departamento de Engenharia Civil e Ambiental da UnB, bateu na porta do professor Fernando Sodré, do departamento de Química: há alguns anos, ele monitora as 8 principais estações de tratamento de esgoto do Distrito Federal, para entender como é o consumo de drogas de abuso, como o crack e a cocaína, na capital federal. E se ela pudesse adaptar a metodologia para detectar o Sars-CoV-2?

Nasceu aí o projeto “Monitoramento, mapeamento e elaboração de sistemas de alerta rápido para Covid-19 no DF via análise do Sars-CoV-2 em esgotos urbanos”, capitaneado pela professora Cristina. “As estações coletam o esgoto de cerca de 80% da população do DF, temos uma amostra bem abrangente das regiões administrativas. Podemos gerar relatórios sobre o crescimento da carga viral nos esgotos e associar os números aos casos clínicos, seria uma ferramenta auxiliar para os sistemas de saúde”, explica a professora.

A detecção de aumento na curva de contágio, quando medida pela análise de sistemas de esgoto, emite o alerta alguns dias antes da procura de pacientes por unidades de saúde. Isso significa que, munida da informação, as autoridades conseguiriam adotar medidas restritivas e controlar o crescimento do número de casos.

No longo prazo, o estudo da professora Cristina pode servir para detectar surtos de outras doenças pela capital federal – não necessariamente de uma outra pandemia, mas episódios pontuais de patógenos que se espalham com facilidade em alguma região. Outro ponto caro à professora é a transparência: a proposta é que os dados não estejam acessíveis somente à comunidade médica e às autoridade sanitárias, mas a toda a população!

O projeto tem apoio da FAP-DF e da Finatec, velha conhecida da professora Cristina – docente na UnB desde os anos 1990, ela viu a Fundação crescer ao longo das décadas. “Nunca tive problemas com a Finatec, temos um diálogo muito franco. Minha expectativa quanto a esse projeto é que seja como no passado: com uma condução tranquila e transparente, que a gente consiga fazer as coisas com a celeridade que o momento exige”, comenta.

Coordenadora: Profa. Cristina Célia Silveira Brandão

Recurso: R$98.800,00

Envolvidos: FAPDF, Finatec, UnB

Assinatura: 26/02/2021

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support