Notícias

  • Notícias
  • /
  • Desenvolvido por pesquisadores da UnB, app ajuda...

Desenvolvido por pesquisadores da UnB, app ajuda no rastreio e restauração do Cerrado

O Cerrado é o segundo maior bioma da América do Sul e ocupa a mesma posição aqui no Brasil, correspondendo a cerca de 22% do território brasileiro. Classificado como savana, é um dos biomas em maior risco de extinção no Brasil. Chamado de Berço das Águas, por ser ponto de encontro das principais bacias hidrográficas do país, o Cerrado apresenta desafios em solos degradados.

Realizado pelo Centro de Gestão e Inovação da Agricultura Familiar (Cegafi-UnB) em parceria com a Finatec e com apoio do Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (CEPF Cerrado) e Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), o projeto Restaura Cerrado identificou essas questões e desenvolveu o aplicativo Radis Cerrado. O app é gratuito e tem o objetivo de auxiliar no monitoramento da recomposição da vegetação nativa e na regulação ambiental de propriedades rurais, além de coletar dados socioprodutivos dessas propriedades rurais para auxiliar no planejamento e comercialização dos produtos.

“O aplicativo é um importante passo para facilitar o processo de entrega de dados de monitoramento aos órgãos ambientais estaduais e promover o cumprimento das ações para regularização ambiental em larga escala no Cerrado”, ressalta o coordenador do Cegafi e do  projeto Restaura Cerrado, professor Mário Ávila.  

O app foi submetido a testes de campo com o método User eXperience (UX) com técnicos especialistas em restauração ambiental, agricultores e assentados da reforma agrária. A equipe do projeto também realizou um workshop com diversos especialistas, pesquisadores (inclusive da Embrapa) e analistas ambientais da SEMA e IBRAM, para eles testaram e deram contribuições importantes para a versão final do aplicativo.

Como o aplicativo funciona?

O Radis Cerrado está disponível gratuitamente para sistema Android no Google Play e tem, entre suas funcionalidades, acompanhar o cadastro ambiental rural, projetos de restauração e monitoramento, além do crescimento da vegetação ao longo dos anos. O usuário também pode preencher um diagnóstico socioeconômico, onde é possível inserir informações sobre extrativismo, produção vegetal e animal,  permitindo o planejamento de produção e comercialização de ingredientes da agricultura familiar. 

Fidelis da Luz

Ele se cadastra, insere os dados do imóvel e insere os dados das áreas que têm que ser restauradas (como tamanho, localização, tipo de vegetação original). O aplicativo calcula quantas parcelas (de 4  m x 25 m) ele precisa de amostras da área em recomposição. E depois ele pode ir inserindo os dados solicitados pelo órgão ambiental, que o aplicativo já calcula os indicadores ecológicos da recomposição da vegetação nativa (cobertura de solo ou de copa, densidade de indivíduos regenerantes, número e proporção de espécies nativas e exóticas). 

No módulo de dados socioprodutivos, ele pode armazenar informações sobre o que e quanto produz ao longo do tempo, para ajudar na gestão produtiva e compartilhar seus dados no sistema.

Uma importante característica do app é sua interface simplificada com objetivo de facilitar que os registros sejam realizados por agricultores, quilombolas, assentados da reforma agrária e técnicos ambientais. “No nosso acampamento fizemos alguns testes e ficou provado que as famílias tinham condição de utilizar o app, por sua interface de fácil manipulação. Nossas famílias, apesar de terem baixa escolaridade, já têm familiaridade com o celular. Então, para eles, o Radis Cerrado é fácil de ser utilizado”, conta Bruno Maciel, agricultor e líder do acampamento Roseli Nunes. 

Bruno Maciel

Impactos para a sociedade e meio ambiente

O aplicativo visa facilitar o processo de coleta de dados de monitoramento da recomposição da vegetação nativa, seu processamento e envio para o órgão ambiental. Isso facilitará o processo de regularização ambiental de imóveis rurais que possuem passivo ambiental. Ao facilitar esse processo, ele ajuda os produtores rurais a cumprirem a legislação ambiental e, assim, ajuda o meio ambiente. Os dados da vegetação em fase de recomposição serão recepcionados e armazenados no próprio servidor do GDF, na plataforma do Sistema Distrital de Dados Ambientais.

A pesquisadora responsável, professora Iris Roitman, explica o impacto positivo do uso do app “Isso trará maior transparência sobre o status da regularização ambiental e recomposição da vegetação nativa no DF. Além disso, as informações anuais especializadas sobre a dinâmica da recomposição da vegetação vão compor um banco de dados importante que servirá para pesquisas ecológicas acerca da restauração ambiental.”

Para a fase de testes do aplicativo foram escolhidas duas comunidades do Distrito Federal: o acampamento Roseli Nunes e o assentamento Oziel Alves, ambos em Planaltina (DF), que abrigam cerca de 300 famílias voltadas à produção agroecológica de base familiar.

No acampamento Roseli Nunes, foram desenvolvidas ações de recomposição da vegetação nativa lideradas pela Associação Rede Rio São Bartolomeu de Mútua Cooperação (Rede Bartô), que trabalha com recuperação de áreas degradadas. O Restaura Cerrado acompanhou essas ações e testou o aplicativo para monitorar o estágio inicial da restauração.

“Na nossa comunidade, o Radis Cerrado é muito importante para que as famílias entendam um pouco do potencial do que é a preservação ambiental e de fazer esse monitoramento ambiental. Além disso, terá importância fundamental para a implementação da regularização fundiária do nosso acampamento”, avalia Bruno Maciel.

A família Queiroz, moradora do acampamento Roseli Nunes desde 2014, será uma das que utilizará o Radis Cerrado como ferramenta auxiliar no trabalho de restauração da paisagem local. “Quando chegamos por aqui, tinha muito gado e começamos a fazer o reflorestamento com plantio de árvores nativas e frutíferas. Com o apoio do projeto da Rede Bartô, hoje temos duas agroflorestas e uma pequena reserva com muitas árvores. Com o aplicativo, o objetivo é aumentar nossa plantação e restaurar a vegetação daqui”, disse Lindaura Queiroz. 

Lindaura e João Batista Queiroz

A agricultora Odimaria Gonçalves toca sozinha seus 4 hectares de terra no mesmo acampamento desde 2012. Ela também integra o grupo de agricultores que utilizará o aplicativo em seu trabalho de reflorestamento, o qual ela destaca com muito orgulho. “Acredito que, na minha reserva, já plantamos umas 200 árvores nativas, como jatobá, copaíba e araticum. Também trabalho com verduras e frutas sem veneno e sem adubo químico. Depois que minhas filhas foram criadas, eu procurei um local para plantar e viver. Tenho muito orgulho do meu trabalho porque plantamos para que as pessoas possam comer comida saudável e sem veneno”, celebra. 

Odimaria Gonçalves

Hoje o aplicativo é customizado para atender as normas ambientais do DF, mas a pretensão é ampliar para outras unidades federativas. A ideia é que a tecnologia seja replicada entre gestores ambientais de outros endereços do bioma Cerrado considerados corredores ecológicos, como Cavalcante (GO), Alto Paraíso (GO),  Niquelândia (GO), Formosa (GO), Pirenópolis (GO), Cristalina (GO), Palmas (TO), Gurupi (TO), Jalapão (TO), Arinos (MG), Montes Claros (MG), Serra Bonita (TO), Chapada Gaúcha, Paracatu (MG), Unaí (MG), Buritis (MG), Barreiras (BA), Luis Eduardo Magalhães (BA), Correntes (PI), São Raimundo Nonato (PI), Carolina (MA), Balsas (MA) e Cocos (BA).

Com o objetivo de facilitar e deixar os pesquisadores envolvidos com a pesquisa, a Fundação de Apoio é a ponte entre as instituições envolvidas. “A Finatec é importante para viabilizar a execução de projetos científicos e tecnológicos que aproximam o conhecimento acadêmico e a sociedade para gerar soluções tecnológicas voltadas para as pessoas, órgãos ambientais e o meio ambiente.” comenta Roitman.

Quer saber mais sobre o projeto? Acesse o Instagram: @restaura_cerrado

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support