Notícias

  • Notícias
  • /
  • Gerenciado pela Finatec, projeto social promove a...

Gerenciado pela Finatec, projeto social promove a capacitação de mulheres em situação de vulnerabilidade

A iniciativa também realiza um cursinho pré-vestibular destinado a estudantes da rede pública de ensino do Recanto das Emas

Do trabalho manual das 86 mulheres que participam do Projeto Tecendo o Amanhã surgiu uma ideia inusitada: revestir todo o prédio que as acolhe e ensina com peças de crochê. A ação é uma forma de exaltar as oportunidades que a iniciativa social proporcionou a essas pessoas, além de, é claro, exibir as habilidades aprendidas. “Até setembro nós vamos encapar até o rolo de papel higiênico com o bordado e a costura que fazemos aqui”, brincou Kátia Ferreira, coordenadora local do projeto.

Ativo desde março de 2019, o Tecendo o Amanhã é executado pelo Centro Especializado de Atendimento à Mulher (CEAM), por meio do Núcleo de Cultura, Diversidade e Minoria Políticas, em parceria com a Universidade de Brasília (UnB) e gestão da Finatec. Com sede no Recanto das Emas – dentro do Instituto Proeza, no qual Katia é a gestora – o projeto visa capacitar mulheres em situação de vulnerabilidade a partir de práticas empreendedoras, para que possam adquirir autonomia social e econômica. Estudantes de escolas públicas locais também são contemplados com a oportunidade de fazer um cursinho pré-vestibular gratuito.

“Trabalhamos com dois públicos-alvo principais: mulheres e jovens em situação vulnerável. Tentamos abrir portas para pessoas que a vida lhes negou uma oportunidade através da geração de renda e da aprovação no vestibular. Com essas ações, esperamos poder contribuir para a autonomia, mobilidade social e perspectiva de futuro dos participantes do projeto”, comentou Kátia.

Vale ressaltar que também são parceiros da iniciativa: UNESCO, Criança Esperança, TV Globo e Fundação Banco do Brasil. “Em 2020 fechamos mais uma parceria com o Ministério da Justiça, além de contar com contribuições pontuais do Ministério Público do Recanto das Emas”, enumerou.

Capacitação

Uma das frentes – que deu nome ao projeto – baseia-se em cursos profissionalizantes de costura, crochê e bordado, com 40 e 50 vagas, respectivamente. Com o sucesso das aulas, o crescente interesse por uma qualificação e a alta taxa de empregabilidade, outras capacitações foram acrescidas, como de tingimento orgânico, com 15 vagas, e panificação, com 20 vagas. “Conseguimos, inclusive, empregar 100% dos alunos do curso de panificação”, comemorou Kátia.

Para exibir o trabalho pessoal de cada um dos participantes, o Tecendo o Amanhã realizou quatro exposições de vendas de produtos em 2019. Também foi realizada uma mostra de 60 autorretratos bordados pelo grupo na sede do Ministério Público do Destrito Federal e Territórios (MPDFT). Trata-se do resultado das primeiras atividades de autoconhecimento e de se olhar no espelho propostas pelo projeto.

Além de qualificar as participantes, as aulas também ajudam no olhar para si e para o próximo. “Muitas dessas mulheres já não possuíam uma rede de relacionamento, mas ao integrarem o Tecendo o Amanhã, ganham uma comunidade de apoio”, explicou a coordenadora local. De fato, o espaço serve como uma casa acolhedora, pois intercalado aos cursos, há também rodas de conversa para promover a empatia. Mais ainda, para mães com filhos dependentes, o espaço proporciona acolhimento com atividades interativas.

“Sabemos que muitas mulheres desejam fazer um curso de capacitação, mas não o fazem por uma barreira comum: não ter com quem deixar os filhos ou netos. Nossa proposta é cuidar das crianças para que as mães cuidem de aprender e fazer o seu artesanato”, disse Kátia. E completou: “Nós servimos um lanche no turno da manhã e da tarde para as famílias e depois, enquanto as mães aprendem, as crianças passam o tempo realizando aulas de balé, jiu jitsu, inglês, filosofia e matemática. Ninguém fica parado!”.

Pré-vestibular

Outra frente da iniciativa é voltada para estudantes de baixa renda de escolas públicas localizadas no Recanto das Emas. Jovens que frequentam o terceiro ano do ensino médio poderão contar com o auxílio de um cursinho pré-vestibular. O objetivo é ampliar as chances de ingresso em universidades federais.

São 112 vagas para estudar as matérias mais relevantes do Enem e dos principais vestibulares do país. As aulas são ministradas por professores pagos com recursos do Criança Esperança e por alunos de doutorado da UnB, bolsistas do projeto Tecendo o Amanhã.

Para participar, basta realizar o processo seletivo. No entanto, as regras para ingressar vão além do desempenho na avaliação. “Para que fosse mais inclusivo não selecionamos os alunos por critério de nota, mas de vulnerabilidade, o que nos traz um aluno mais desafiador, dados os amplos problemas sociais que os permeiam”, discorreu a coordenadora.

Para evitar a evasão do cursinho, o aluno não pode exceder mais de três faltas consecutivas sem justificativa. Entendemos que a constância no estudo é essencial para aumentar as chances de aprovação. Dos inscritos no cursinho, 38% conseguem ingressar na universidade federal. Neste semestre de 112, desistiram 48 alunos e 24 ingressaram na universidade (38%), 9 são bolsistas integrais em universidades privadas, ou seja 33 alunos que ingressaram no curso superior.

Apesar da evasão, vale ressaltar que a meta de atendimento ainda está acima da prevista no projeto. Os inúmeros resultados positivos colocam o cronograma à frente do planejado, cuja data de finalização está prevista para junho de 2020.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support